Música

Carimbó de Mestre Damasceno e Som de Pau Oco

Show de lançamento do CD. Neste sábado, no Apoena

No começo, era um simples encontro de amigos. Depois, logo, virou o Som de Pau Oco. O grupo de Carimbó de Belém que integra, na sua maioria, músicos profissionais, professores, pesquisadores, compositores – e alunos.  Em meio à campanha para tornar o Carimbó um patrimônio cultural brasileiro, o grupo despontou erguendo a bandeira da valorização e preservação desse ritmo, que é uma das mais antigas manifestações da cultura popular do Estado do Pará.

Muito além da simples retomada de um batuque, o Som de Pau Oco vivencia o Carimbó de uma maneira efetiva, que contagia a todos com sua atmosfera de poesia, alegria, amizade, e amor à natureza deste Estado. Mesmo num contexto mais urbano, o grupo endossa essa luta, destacando a importância do Carimbó de raiz como expressão cultural e intangível do Pará. Seja no resgate dos grandes Mestres, seja na manutenção e divulgação desta arte popular, seja na propagação dessa arte para novas gerações. O grupo Som de Pau Oco traz no nome a reverência ao tambor de madeira Curimbó, que em Tupi Guarani, quer dizer pau oco, pau escavado. Além desse instrumento, fazem parte da instrumentação do grupo o clarinete, o milheiro, o banjo, o tambor de onça, o reco-reco, as maracas e as matracas.

As composições do grupo ganham vida a partir dos temas do cotidiano e da inspiração dos batuques da infância. Porém, é nos ensaios de Carimbó que o repertório autoral cresce, ganha corpo, e, ao mesmo tempo, força quando misturado às canções dos grandes mestres: Cupijó, de Cametá; Lucindo, de Marapanim; Verequete, de Icoaraci; entre outros grandes nomes.

Seguindo uma linha de composição coloquial, espontânea, alegre e, por vezes, jocosa, as canções do Som de Pau Oco falam do cotidiano urbano, como também da diversidade temática presente nas histórias, casos e lendas da região Norte. “A sereia cantou”, por exemplo, de autoria de Edson Douglas e Renato Cardoso, é uma das composições mais empolgantes do grupo Som de Pau Oco.

O trabalho do grupo amadureceu e no próximo dia 30, lançará seu primeiro CD, num show em que dividirá o palco do Apoena com Mestre Damasceno, grande ícone do Carimbó de Salvaterra (Marajó). Mestre Damasceno que vem desde janeiro fazendo apresentações mensais no Apoena e se prepara para, em breve, lançar seu novo CD, consolidando sua carreira e apresentando novas músicas ao seu público. Para abrilhantar ainda mais nossa noite teremos participações especiais de Nanna Reis, Ronaldo Silva e Allan Carvalho.

O espetáculo é realização do Coletivo Pulsar Marajoara e faz parte da divulgação e preparação do 2º Festival Marajoara de Cultura Amazônica que vai acontecer em julho, nas cidades de Salvaterra, Soure e Cachoeira do Arari.

 

Serviço

30 de março - SÁB

20h30

Espaço Cultural Apoena

(91) 98213-6071 / 98158-0829

R$ 20