Cinema

Documentário retrata a luta dos Guarani Kaiowá

18 a 26 de setembro na tela do Olympia

O documentário “Martírio” retrata a trajetória dramática da violência histórica que atinge os povos indígenas Guarani Kaiowá, desde a Guerra do Paraguai, até o violentíssimo avanço das últimas décadas, marcadas pela crueldade do racismo e dos conflitos contra os indígenas. O filme percorre o caminho tortuoso entre o Mato Grosso do Sul, na realidade do modelo de agronegócio imposto no Brasil, e chega ao centro do poder, em Brasília.

“Martírio” faz parte da trilogia ainda em produção do diretor Vincent Carelli, que também é antropólogo, e criador do projeto Vídeo nas Aldeias. São filmes produzidos ao longo de três décadas, expondo a visão do cineasta sobre a luta indígena junto às profundas transformações que acontecem no país.

“Agora com essa tragédia com os Guarani Kaiowá, é preciso fazer algo, e o cinema é uma ferramenta poderosa. Não é por gosto que tenho tratado do tema da violência contra os índios, é por imposição dos acontecimentos”, diz o diretor Vincent Carelli. Na narrativa, ele resgata informações dos tempos da colonização portuguesa e avança por entre governos republicanos e a ditadura militar. Mas desperta indignação ao revelar como os governos das últimas décadas prosseguiram apoiando e facilitando as ações do agronegócio sobre o território do povo Guarani. Por isso, “Martírio” é um documentário difícil de se assistir com indiferença. Mesmo sendo longo (quase 3 horas de projeção) o seu ritmo de montagem é exemplar, fazendo o espectador se emocionar e refletir sobre a vida dos Guarani.

O documentário chega a Belém na tela do Cinema Olympia com programação de 18 a 23 de setembro, com sessões de terça a sexta às 18h e aos sábados e domingos, às 16h. Entrada franca.

Serviço

De 18 de setembro - TER

Até 26 de setembro - QUA

18h - ter a sex

16h - sáb e dom

Cinema Olympia - Av. Presidente Vargas, 917

Grátis