Teatro e Humor

Encantadores contos dos povos asiáticos em “Jogo Oriental”

Lucas Alberto se apresenta no Casarão do Boneco, dias 17 e 18

Com inspiração nos contos populares dos povos asiáticos que migraram para o norte do Brasil nas décadas de 30 a 50, o espetáculo “Jogo Oriental” é uma homenagem da Cia. Sorteio de Contos aos muitos ensinamentos advindos da filosofia oriental. Da Ásia foram escolhidos alguns contos do Japão, Arábia Saudita, Persia, Líbano e Índia. Antes de iniciar a encenação o público é recebido em um círculo em torno do cenário, a primeira pessoas que chegar é intitula de Vishir e este será aconselhado por o Servo Ninguém através das runas. São quatro runas, cada uma representa um conto de um país. Vinda do Japão o conto da “Grande mestra Yama”, narra a antiga história de uma detentora da Carroça dos Contos recebida das mãos de um antigo mestre, para tal tiveram de enfrentar preconceitos e transmutar para manter a tradição. “Savitri a princesa que enganou a morte”, um conto indiano que narra a história de uma monarca que por causa de sua força e inteligência todos os homens tinham medo de casar com ela. Decidida a mudar seu destino parte por uma viagem para conhecer seu país e o governar e o que ela encontra ao retornar irá mudar sua vida. Em “Os contos das areias”, um velho contador de histórias se vê longe de sua tribo e tem de trair sua tradição para manter sua memória viva, contando sua história de velhos, meninas, meninos e jovens a todos que desejarem ouvir. “Ali Babá e os quarenta ladrões”, um dos contos mais antigos da cultura Persa, extrato da singular história Mil e uma Noites. Ali Babá um mercador de madeira tem sua vida e de sua família revirada a partir do momento em que acha uma caverna mágica com tesouros escondidos pertencentes a um grupo de ladrões, moral e sobrevivência se confrontam neste conto.

Neste trabalho “escolhi retornar ao ponto do trabalho que deu origem à linguagem do grupo Sorteio de Contos”, explica Lucas Alberto, dramaturgo e ator do espetáculo, o estudo do cruzamento entre a prática das artes marciais orientais e do teatro. O trabalho só foi possível graças ao seu envolvimento com as artes marciais desde 2001, em específico o Kung fu garra-de-águia, quando o ator estreou em 2017, no Teatro Waldemar Henrique, pelo prêmio Pauta Livre da Fundação Cultural do Pará e o espetáculo foi assistido por alunos e professor da Academia Chin Wu de Kung Fu e se deu início ao apoio da escola de artes marciais.

Segundo Lucas, a construção de cena e o treinamento do ator foram drasticamente modificados com as técnicas da arte marcial, trazendo maior consciência corporal e entendimento da respiração a partir de cada ação e postura. O diretor do espetáçulo, Paulo Nascimento, ratificou a necessidade de se criar uma dança única para a encenação sendo a base construída a partir do estilo de kung fu estudado.

O espetáculo “Jogo Oriental” está na programação do Casarão do Boneco (Av. 16 de Novembro 815 – entre Veiga Cabral e Praça Amazonas), nos dias 17 e 18 de novembro (sábado e domingo), sempre às 20 horas. Os ingressos são: R$ 20, inteira / R$10, meia.

Foto: Victoria Rapsodia

Serviço

17 de novembro - SÁB

18 de novembro - DOM

20h

Casarão dos Bonecos

Av. 16 de Novembro, 815

(91)32418981 / 989559135

R$ 20- inteira / R$10 - meia